Loja CDCristão.COM
Home
Notícias
Releases/Biografias
Links
Blogs
Orkut
Twitter
Lançamentos
Catálogo
Em Estúdio
Loja Virtual
Ranking
Prêmios
Aniversariantes
Promoções
Newsletter
Agenda/Eventos
Programa Acorde
Cristoteca
Rádio Beatitudes
Clipes
Cifras
Partituras
MP3
Entrevistas
Salmo On-Line
Luiz Carv. Responde
Carta do Papa
Direitos Autorais
Lista de Discussão
Artigos - Músicos
Testemunhos
Artistas
Gravadoras
Rádios Católicas
Divulgação
Fale Conosco!
Pedido de Orações


Nós, músicos, cristãos ou seculares, muitas vezes nos imaginamos úteis e indispensáveis quando se trata de tocar o nosso instrumento. Certamente, quando tecnicamente um grupo tem a sua evolução coletiva, cada um tem a sua função específica em cada música. Outros não tão evoluídos tecnicamente têm a tendência de depender de um ou outro músico para realizar solos que possam embelezar as músicas.

Normalmente os músicos que têm uma maturidade técnica não são muito exibidos ou do tipo de pessoa que gosta de aparecer, em função dos anos de vivência no seu aprendizado. Ele já sabe por si só se vangloriar!

Nós aprendemos que nunca somos os melhores e que aparecerá alguém melhor do que nós. Os melhores respeitam o limite técnico de cada um e sabe que, às vezes, pode-se aprender com os que ainda estão "engatinhando" na música. Por outro lado, existem os que gostam de mostrar o que aprenderam e quando algum leigo em música diz "esse toca muito!", logo o orgulho passa a tomar conta.

São dois exemplos típicos que podemos encontrar tanto no meio cristão como no secular. Como experiência própria, convivo com os dois lados e sempre ouço, da boca para fora, o músico cristão dizer que quando toca, louva ao Senhor e o secular dizer que é para sua satisfação pessoal. O músico secular sempre expressa o que acha, mas nem sempre se vê os verdadeiros sentimentos no músico cristão, infelizmente.

O músico cristão, em alguns casos, já decorou certinho o texto e para todos os irmãos da Igreja sempre diz a mesma coisa: "toco louvando ao Senhor!". Basta vê-lo executando o seu instrumento para perceber que ele também se satisfaz naquele momento, não (somente) em louvar a Deus, mas no prazer em tocar. Faz um verdadeiro "show" de demonstração de conhecimento e no fundo acha que está "abafando" e sua satisfação pessoal o impede de perceber isso.

Outras vezes quer mostrar à equipe algum acessório novo que comprou e seus recursos, mas acaba mostrando "pra Deus e pro mundo", exagerando nas demonstrações dos efeitos ou recursos nos ensaios e, conseqüentemente, nas missas, nos grupos de orações e nos demais eventos de nossa Igreja, fazendo com que a essência da música se perca. Parece uma criança que ganhou seu primeiro brinquedo ou uma bicicleta... Isso é uma ação típica do músico aprendiz que busca seu lugar no grupo.

O músico tecnicamente mais evoluído e com anos de estrada, vê as limitações de cada um e as respeita. Ele age como um verdadeiro mestre deve agir, reconhecendo os defeitos e virtudes de cada um.

Você poderá perceber que ele nunca vai humilhar ou se vangloriar no seu instrumento diante do aprendiz, mas ensinará pequenas técnicas, porque ele sabe que sempre o aprendiz deverá reconhecer suas limitações na vivência com outros músicos...

Certamente, o aprendiz poderá se sentir frustrado se achar que é o melhor (como todos os que acham que são os melhores), mas perceberá que tem muito a aprender. É assim que o aprendiz cria maturidade.

Quando um grupo não evolui coletivamente, existe um grande risco de criar-se uma dependência de uma ou duas pessoas do mesmo. Cria-se dependência em todos os aspectos, o que acaba gerando acomodação por parte dos de menor técnica. É isso que faz com que os mais técnicos acabem sendo imprescindíveis dentro do grupo. Será que não é o seu caso?

Experimente "tirar férias" de um mês do grupo de oração ou do local em que você ministra sua música. O que aconteceria? Certamente você ouviria de muitos: "como você faz falta!", ou ainda: "seu lugar é lá com o pessoal!". Mas você começará a perceber que o grupo trabalhará coletivamente, o que será saudável para que eles busquem o seu aprimoramento técnico e a Deus.

Devemos lembrar sempre que se sentirmos que somos imprescindíveis dentro do ministério é porque algo está errado. Em primeiro lugar, o único que deve ser imprescindível tem de ser Jesus e não nós. Devemos ser apenas instrumentos em Suas mãos.

Quando começamos a pensar que somos imprescindíveis, é porque ainda não amadurecemos e caímos em algumas tentações, como o da satisfação pessoal, que é gerada pelo prazer de tocar, pelo sentimento de sermos os melhores, que é gerado pela soberba resultante da nossa inexperiência de vida. O sentimento nos trai e acaba gerando em nós plena barreira de louvar ao Senhor, porque ficamos preocupados achando que o momento não fluirá quando estamos ausentes. Nos sentimos como o pilar que sustenta a equipe e acabamos sentindo orgulho disso. E quando estamos com esse sentimento, acabamos gerando uma barreira entre o ministério e a assembléia (povo de Deus).

Reflita sempre quem é realmente imprescindível em sua música: você ou Jesus. A soberba acaba causando impedimentos no louvor porque Deus resiste aos soberbos, mas dá sua graça aos humildes (Tiago 4, 6b; I Pedro 5, 5b). Deixe com que sua técnica cresça na humildade, seja companheiro, fazendo com que Cristo seja imprescindível na sua vida e reconheça a força de vontade de cada um em seu ministério. Faça com que a equipe cresça coletivamente, fazendo com que todos trabalhem em prol da missão de seu ministério e não dependa apenas de um ou dois que o façam. Assim a graça do Senhor estará sempre no meio de cada equipe e o "ministrar música" fluirá de forma harmoniosa e com muita unção.

 

Santa Cecília, rogai por nós!

Jesus abençoe!

 

Rafael de Angeli - Canal da Graça
rafael@canaldagraca.com.br
Coordenador do Ministério das Artes (RCC) da RE2
(Araraquara-SP e região) - Diocese de São Carlos-SP

"Com Tua mão, oh meu Senhor, segura a minha, pois não me atrevo a um passo só sem Teu amparo, sem Teu apoio. Eu só iria fraquejar. Se Tua mão me segurar, eu correrei até voar".

  
  
 

Ver outros artigos de Rafael de Angeli

Voltar para ARTIGOS

Listar TODOS os artigos em ordem alfabética

  
  
  Envie esta página para um ou mais amigos!
  
  
 
Voltar...
  
 
  
 Copyright © 2001 - 2011 por Portal da Música Católica. Todos os direitos reservados.