Loja CDCristão.COM
Home
Notícias
Releases/Biografias
Links
Blogs
Orkut
Twitter
Lançamentos
Catálogo
Em Estúdio
Loja Virtual
Ranking
Prêmios
Aniversariantes
Promoções
Newsletter
Agenda/Eventos
Programa Acorde
Cristoteca
Rádio Beatitudes
Clipes
Cifras
Partituras
MP3
Entrevistas
Salmo On-Line
Luiz Carv. Responde
Carta do Papa
Direitos Autorais
Lista de Discussão
Artigos - Músicos
Testemunhos
Artistas
Gravadoras
Rádios Católicas
Divulgação
Fale Conosco!
Pedido de Orações


Davi tocava harpa. Os salmistas sabiam do poder da canção como louvor e como protesto político. Os salmos estão cheios de teor político. Davi chegava a escalar pessoalmente os cantores do templo, tamanha a importância que dava à canção que era político-religiosa. Leia bem os salmos e verá porque se cantava!

Nero compunha e cantava. Hitler a usou para sua propaganda nazista. Os reis queriam hinos e canções nos seus palácios, mas chegavam a degolar os cantores que os criticassem. Generais apóiam hinos de batalha. Bandas, orquestras, quartetos, corais, concertos, celebrações litúrgicas... Em tudo a canção aparece para divulgar, mentalizar, organizar, motivar, convencer e recrutar.

Nem sempre ela suscita bons sentimentos. Encanta e chama, mas pode semear ódio e divisão. Conscientiza ou aliena. Depende do pregador, do cantor, do político e das suas intenções ao usá-la. As religiões investem pesadamente na canção: católicos, evangélicos, judeus, muçulmanos, monges, autoridades, povo. Canta-se por toda a parte: salas, igrejas, metrôs, estádios, ruas e praças. Música bem tocada chama o povo, abre espaço para a pregação que vem mais tarde. Cantam os da Teologia da Libertação, cantam os da Renovação e os cantos revelam sua maneira de pensar a fé e a vida.
De tal forma, a canção marca o inconsciente que um tem dificuldade de cantar a canção do outro. Conservadores, progressistas, moderados, saudosistas, ecumênicos, proselitistas, todos têm seu jeito de cantar. Entra nos seus templos ou reuniões, a canção que se afina com seus pregadores. Raramente cantam as de outra linha. Vendem seus discos, suas canções e mostram desconhecer totalmente o que os outros andam cantando.

É que a música chama, mas nem sempre congrega. Não espere que cristãos de uma linha cantem com facilidade as canções da outra linha. É cada um cantando seu canto, lá no seu canto. Existem as exceções, mas exceções permanecem. Em geral, é uns cantando de cá e outros cantando de lá. Nem todo o cantor é fraterno ou ecumênico. Existe aquele que, se puder ocupar o espaço do outro, ocupa. Há quem veja sua canção como do céu e a dos outros como profanas demais! Algumas igrejas ou grupos chegam a proibir terminantemente os seus fiéis de irem no show daqueles outros católicos ou evangélicos... A isso chegamos!

Para o amor e para a guerra, para o bem e para o mal, feita por vozes e/ou instrumentos, ela também é instrumento e porta-voz. Feliz de quem não se deixa enganar por ela, porque gente com idéias ultrapassadas, ou com projetos de violência ou dominação, pode tocar música encantadora e envolvente. O Terceiro Reich de Hitler era entremeado de canções. Sua música bonita abafava o barulho dos seus canhões. Não é porque um grupo toca e canta bonito que seu projeto é bonito! Os aviões também são bonitos e fazem flutuar, mas alguns deles carregam bombas...

Se há quem use da oração para pedir a morte do inimigo, há quem use da canção com o mesmo objetivo. Saibamos usá-la. Mal utilizada pode prejudicar um povo e uma Igreja! Em resumo: ouça com critério. Você não varia as suas refeições? Então ouça as músicas dos outros cristãos. Deus anda soprando e dizendo muita coisa boa do lado de lá... Não fique só na música da sua Igreja e do seu movimento. Deus também grava em outras gravadoras...

 

Pe. Zezinho, scj (pezscj@uol.com.br)
www.padrezezinhoscj.com - Taubaté-SP

  
  
 

Ver outros artigos de Pe. Zezinho, scj

Voltar para ARTIGOS

Listar TODOS os artigos em ordem alfabética

  
  
  Envie esta página para um ou mais amigos!
  
  
 
Voltar...
  
 
  
 Copyright © 2001 - 2011 por Portal da Música Católica. Todos os direitos reservados.