Loja CDCristão.COM
Home
Notícias
Releases/Biografias
Links
Blogs
Orkut
Twitter
Lançamentos
Catálogo
Em Estúdio
Loja Virtual
Ranking
Prêmios
Aniversariantes
Promoções
Newsletter
Agenda/Eventos
Programa Acorde
Cristoteca
Rádio Beatitudes
Clipes
Cifras
Partituras
MP3
Entrevistas
Salmo On-Line
Luiz Carv. Responde
Carta do Papa
Direitos Autorais
Lista de Discussão
Artigos - Músicos
Testemunhos
Artistas
Gravadoras
Rádios Católicas
Divulgação
Fale Conosco!
Pedido de Orações


Cada dia que passa vemos o quanto é difícil conviver, as pessoas discutem e na maioria das vezes não chegam a lugar algum. Cada um acreditando em coisas que dizem ser “verdades absolutas”. Eu questiono, pois na real o que é verdade absoluta para uns, pode não ser para outros. Será que é correto generalizar alguns assuntos e colocá-los como verdades, ou será que vivemos de mentiras conceituais? Quando generalizamos algo, corremos o risco de excluir pessoas, de impor conceitos e dizer que somos certos! Isso é perigoso. Hoje as pessoas estão carentes de amor, com sede de gestos de carinho. Todos esperam ser acolhidos e não colocados de lado. Aí entra o ato de julgarmos o outro por suas atitudes e esse estigma ou preconceito isola o indivíduo em relação aos outros, como se fosse uma pessoa marcada pelo passado e mesmo o uso generalizado de um rótulo faz com que alguém seja excluído. Os olhos julgam automaticamente...

Esquecemos que o amor de Deus é tão misericordioso, esquecemos que Deus conhece a cada um especial e nós desrespeitamos o pensamento alheio, agimos com pré-conceitos, deixando de lado a sabedoria de que cada ser humano é único. Cada um tem sua forma de ser especial, de amar, de ser simples e de ser realmente quem é... Mesmo que algumas pessoas queiram se mascarar, em algum momento de sua solidão elas se desarmam...Poses e saltos também desmontam...

Partindo disso, vemos o amor de Deus sem imposições, que espera com paciência, até que percebamos que rumo estamos dando à nossa vida através do livre arbitrio. Deus não se prende, não exclui, chama para a conversão de coração, mas tem Sua hora. Como eu posso montar conceitos e esperar que outros me sigam ou vivam aquilo que acho certo? E se alguém não concordar comigo? Vou julgá-lo? Como reagirei? Parece confuso... E realmente pode estar mais que confuso o assunto entre mentiras conceituais e verdades absolutas... Os extremos são complicados! Torna-se fanatismo, prejudica a fé e a solidariedade cristã. Nossa vivência e convivência é o retrato de nossa fé, que deve ser de partilha e compreensão. Parece apenas teoria, mas se levarmos tudo a ferro e fogo não vamos conseguir conviver com ninguém! Se realmente quisermos algo equilibrado, devemos buscar sem alienação, observando, caminhando junto com a evolução dos tempos e não nos fechando em nosso próprio umbigo e apontando erros alheios.

Seja aberto(a) com a opinião das pessoas que vivem ao seu redor, mas leve seus gestos em um amor transparente, um coração que luta, que sonha e busca! Faça as pessoas ao seu redor sentirem a felicidade que você transparece por buscar um Deus amor, mas mesmo assim, cada pessoa tem um tempo para querer e entender o amor que Deus oferece, o amor mais verdadeiro e absoluto tem sua hora de chegar a cada um de nós, basta querermos, Ele nunca mede amor! E Ele é Deus.

 

Karla Fioravante
karla.fioravante@terra.com.br
Cantores de Deus - São Paulo-SP
  
  
 

Ver outros artigos de Karla Fioravante

Voltar para ARTIGOS

Listar TODOS os artigos em ordem alfabética

  
  
  Envie esta página para um ou mais amigos!
  
  
 
Voltar...
  
 
  
 Copyright © 2001 - 2011 por Portal da Música Católica. Todos os direitos reservados.