Loja CDCristão.COM
Home
Notícias
Releases/Biografias
Links
Blogs
Orkut
Twitter
Lançamentos
Catálogo
Em Estúdio
Loja Virtual
Ranking
Prêmios
Aniversariantes
Promoções
Newsletter
Agenda/Eventos
Programa Acorde
Cristoteca
Rádio Beatitudes
Clipes
Cifras
Partituras
MP3
Entrevistas
Salmo On-Line
Luiz Carv. Responde
Carta do Papa
Direitos Autorais
Lista de Discussão
Artigos - Músicos
Testemunhos
Artistas
Gravadoras
Rádios Católicas
Divulgação
Fale Conosco!
Pedido de Orações


E o próprio Deus de paz vos santifique completamente; e o vosso espírito, e alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo". (ITs 5,23)

Nesta passagem, São Paulo exorta aos tessalonicenses que se conservem sem mancha alguma para a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo. O que mais me chama a atenção é a radicalidade desejada por Paulo que é expressa numa única palavra “alguma”. Não basta estar sem algumas manchas senão sem mancha alguma. Isto porque o Senhor nos quer inteiros. Deus não nos aceita pela metade. E é justamente por nos querer inteiros, e São Paulo expressa muito bem isto, que o Senhor inspira a Paulo que aborde nesse trecho as três dimensões do ser humano: espírito, alma e corpo.

Quando meditava essa passagem, eu me lembrei dos três votos feitos pelos religiosos e/ou consagrados leigos: pobreza, castidade e obediência. Fazendo uma analogia da exortação de Paulo com os três votos, sentimos de perto a ação do Espírito Santo e percebemos o mistério de Deus que ronda toda a história da Igreja e da humanidade e nos permite unir as peças desse grande quebra-cabeças que é a nossa fé.

Ser santo no espírito, ou seja, na mente, na inteligência, é ter a ousadia de escolher a melhor parte, como Maria, irmã de Lázaro. Não querer fazer as coisas pela vontade própria, mas pela vontade de Deus. Ser santo na alma, como Paulo pede à comunidade tessalônica, nada mais é do que cultivar a pobreza. Na aceitação do que é necessário e no desprezo do que é supérfulo, experimentamos a pobreza e cultivamos a presença do Absoluto, o único que alimenta a nossa alma e que é insubstituível. A santidade do corpo é, sem dúvida alguma, conseguir regar a cada dia em nosso coração a semente da castidade. Ser casto é poder dizer ao Pai do céu, como Jesus: “Deste-me um corpo para fazer a tua vontade”. É usar o nosso corpo na certeza de que ele é templo vivo de Deus e por isso não pode ser profanado.

Que possamos a cada dia crescer no entendimento da Palavra de Deus para que sejamos conservados sem mancha alguma para a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Assim seja.
Amém!

 

Juninho CENA (juninho_bh@yahoo.com)
Banda Nova Aliança - Belo Horizonte-MG
  
  
 

Ver outros artigos de Juninho CENA

Voltar para ARTIGOS

Listar TODOS os artigos em ordem alfabética

  
  
  Envie esta página para um ou mais amigos!
  
  
 
Voltar...
  
 
  
 Copyright © 2001 - 2011 por Portal da Música Católica. Todos os direitos reservados.