Loja CDCristão.COM
Home
Notícias
Releases/Biografias
Links
Blogs
Orkut
Twitter
Lançamentos
Catálogo
Em Estúdio
Loja Virtual
Ranking
Prêmios
Aniversariantes
Promoções
Newsletter
Agenda/Eventos
Programa Acorde
Cristoteca
Rádio Beatitudes
Clipes
Cifras
Partituras
MP3
Entrevistas
Salmo On-Line
Luiz Carv. Responde
Carta do Papa
Direitos Autorais
Lista de Discussão
Artigos - Músicos
Testemunhos
Artistas
Gravadoras
Rádios Católicas
Divulgação
Fale Conosco!
Pedido de Orações

Fazendo uma pausa em nossa seqüência de assuntos voltados para harmonia aplicada, falarei neste artigo sobre um tema que é de suma importância para o bom funcionamento de um grupo com o objetivo de evangelizar, seja um ministério, banda ou qualquer movimento dentro da Igreja.

Acredito que seja curiosidade da grande maioria dos “internautas” que visitam este PORTAL saber como é os bastidores e a convivência de uma banda com um certo nível de divulgação dentro da música católica. Pois bem, discorrerei aqui sobre uma experiência recente da qual tirei aprendizados e frutos não mensuráveis diante de tamanha vivência em um dos principais fundamentos pregados por Jesus Cristo: a paz.

Caros leitores, refiro-me a uma recente turnê realizada entre os dias 24/07 e 31/07 na região nordeste do país, acompanhando o Padre Fábio de Melo, scj, em seus shows de evangelização.
A banda que o acompanhou foi composta por Xan na bateria, Hudson no baixo (Chicletinho da banda Nova Aliança), pelo produtor evangélico Tadeu Chuff nos teclados e por mim também nos teclados. Foi a primeira experiência junta desta formação, mas não por menos repleta de entrosamento e unção.

No âmbito musical foi bastante tranqüilo, pois cada um se responsabilizou por “tirar” a sua parte e dessa forma, apesar de nunca termos tocado juntos anteriormente, não foi necessário mais do que dois ensaios.
Com relação a relacionamentos, o respeito mútuo foi o percussor para o início de verdadeiras amizades. Alguns já tinham tido algum contato, outros não, porém à medida que o contato foi se intensificando, começou a brotar uma relação paralela à profissional. Iniciou-se uma relação de companheirismo sempre regida pelo respeito mútuo. Para se ter uma idéia do que estou me referindo, esse companheirismo pode ser exemplificado com o cuidado que Xan e Hudson tiveram na primeira viagem de ônibus noturna que fizemos quando foram na poltrona de cada um de nós, nos acordar e instruir a colocar o cinto de segurança, uma vez que estávamos deitados e poderíamos cair no chão caso houvesse uma freada brusca.

Outro ponto interessante a ser levantado foi o absoluto ecumenismo vivido por nós ao lado de Tadeu Chuff. O respeito mútuo foi tão natural que em momento algum houve alguma restrição espiritual de ambas as partes em virtude de sua presença. Em todos os momentos de oração, ele esteve presente, participou integralmente de todos os momentos dos shows e com tamanha intensidade a ponto de fazer surgir de sua boca o seguinte comentário cômico: “Como é que eu vou dizer agora que um padre fez um evangélico chorar em uma pregação?”. Diga-se de passagem, as pregações ministradas pelo Padre Fábio estão, com certeza, até hoje no coração de todos que o ouviram, causando reflexões, questionamentos, e dessa forma fazendo estar realmente presente a palavra de Deus.

Voltando a nossos tópicos de destaque, quero ainda expor aqui um momento de extrema emoção para todos nós que participamos desta turnê. E em complemento, vale ressaltar que este momento foi uma confirmação aplicada de um assunto que expus aqui há algum tempo... Refiro-me à “Parábola do Banquinho”, a qual sugiro que leiam posteriormente caso não tenham o feito ainda, para entender melhor esta correlação que estou fazendo. No nosso último show, que foi realizado em Natal-RN, o Padre Fábio fez um agradecimento maravilhoso e verdadeiramente muito emocionante a todos nós da banda e terminou dizendo assim: “... e se eu fui Padre durante esses dias, eu só o consegui com a presença de vocês...”. Vocês tinham que ver a cena, eu olhava pro Tadeu e ele olhava para mim, e a gente tentando disfarçar o umedecimento de nossos olhos, isto para não falar lágrimas. Mas voltando à correlação, o que o padre disse significa que eu fiz o meu papel de “banquinho” e isso me deixa por demais feliz em saber que dei a minha contribuição àqueles momentos de suprema unção por ele ministrados.

Eu ainda não poderia deixar de citar aqui o carinho de todos que nos receberam em todas as cidades, sem exceção, assim como os motoristas que nos conduziram pelas cidades a fora. Mas uma vez volto a dizer, foi tudo muito tranqüilo, pacífico e prazeroso. Desde o primeiro instante, em Esperança-PB, onde fomos recepcionados por pessoas maravilhosas, passando por Paulista-PE, onde ficamos hospedados em um seminário que nos acolheu muito carinhosamente, ou em Gravatá-PE, que teve o cuidado em dispor uma pessoa maravilhosa (Gerlayne) para estar conosco durante a nossa estada na cidade, ou ainda no Haleluia em Fortaleza-CE e as “prosas” com Ziza em momentos de descontração na praia e com Fabiene nos bastidores do show... E, para terminar, um cuidado todo especial em Natal-RN, por parte da Canção Nova local. Deixo aqui, em meu nome e de todos da banda, o nosso muito obrigado a todos que tiveram algum contato conosco por estes dias, pois podem ter certeza que jamais serão esquecidos, pois deixaram em nós “Marcas Para o Eterno”.

Uma vez lido tudo isso, posso apresentar a vocês, amigos leitores, uma conclusão que tirei após analisar todos os fatos e momentos desta semana. A tranqüilidade e paz constante, o entrosamento, a receptividade, as pregações maravilhosas, os shows bem sucedidos, os relacionamentos, os momentos de descontração, de oração e lazer, tudo o que foi acima citado pode ser resumido em um único adjetivo: tudo o que vivemos foi ESPLÊNDIDO, mas só o foi assim por causa de uma coisa, estivemos em estado constante de graça e unção por estes dias. Hoje olho para trás e consigo ver, em cada momento por nós vivido, a presença de Deus.

Amigos leitores, com base no que foi relatado, apresento e deixo aqui uma indagação a ser refletida. Até onde está totalmente correto aquele comentário que por tantas vezes ouvi, que diz assim: “Quando tudo estiver dando muito certo, desconfie, pois as obras realmente de Deus são constantemente tentadas pelo inimigo”. Porém digo agora: será que há alguma eficiência desta tentação por parte do inimigo nas obras de Deus quando o estado de graça é constante e vivido com grandiosa unção?

Fiquemos todos com Deus e lembre-se que estou sempre aberto à comunicação!

 

Frederico Rodrigues (emaildofred@gmail.com)
Doutor em engenharia acústica,
arranjador e tecladista do Pe. Fábio de Melo

  
  
 

Ver outros artigos de FRED

Voltar para ARTIGOS

Listar TODOS os artigos em ordem alfabética

  
  
  Envie esta página para um ou mais amigos!
  
  
 
Voltar...
  
 
  
 Copyright © 2001 - 2011 por Portal da Música Católica. Todos os direitos reservados.