Loja CDCristão.COM
Home
Notícias
Releases/Biografias
Links
Blogs
Orkut
Twitter
Lançamentos
Catálogo
Em Estúdio
Loja Virtual
Ranking
Prêmios
Aniversariantes
Promoções
Newsletter
Agenda/Eventos
Programa Acorde
Cristoteca
Rádio Beatitudes
Clipes
Cifras
Partituras
MP3
Entrevistas
Salmo On-Line
Luiz Carv. Responde
Carta do Papa
Direitos Autorais
Lista de Discussão
Artigos - Músicos
Testemunhos
Artistas
Gravadoras
Rádios Católicas
Divulgação
Fale Conosco!
Pedido de Orações


O dia 04 de janeiro de 2007 se tornou uma data muito significativa, porque nele a gente celebra a chegada do Padre Léo ao céu. E pra nós foi um dia interessante porque muita coisa mudou dentro da CODIMUC. Saí um pouco depois das 19h e, descendo as escadas, onde temos um vidro muito grande, que dá pra ver a Canção Nova, olhei e vi um arco-íris muito bonito. Me deu uma sensação diferente, porque estava rolando a notícia de que o padre Léo estava muito ruim... Voltei, entrei numa sala, pedi a máquina fotográfica e disse: “vamos tirar uma foto daquele arco-íris porque ele é um sinal de Deus”. Tiramos esta foto que você vê abaixo. E tudo o que aconteceu em seguida pra nós é muito significativo.

Amanhã, dia 05, faz exatamente 34 anos que me converti. Quando vi aquele arco-íris, senti que Deus estava dando um sinal de aliança. Aliança entre o céu e a terra, aliança entre nós na terra: uma aliança de amor. Uma aliança da igreja católica, que precisa repensar e reviver muito daquilo que se falou, que se pregou, que se viveu.

Quando vi aquele arco-íris sobre a Canção Nova, pensei: “Daqui tem que brotar as cores que vão colorir este planeta”. Talvez o “Léo” seja mais uma das pessoas que Deus precisa no céu pra interceder por este planeta. Quando estávamos fotografando, pedi pra tirar rápido, sem se preocupar com nitidez, porque ele estava desaparecendo.

E todo este sentimento de que Deus estava falando algo ali e que é preciso “tomarmos vergonha na cara”, não tem outro nome. Nós, católicos, temos que saber que em uma vida como a do Padre Léo, que muitos acompanharam a trajetória dele, e que os amigos, companheiros de formação: Dehonianos, Sagrado Coração, Canção Nova, todos tem uma história... Tive a graça de também ter uma história do Padre Léo:

Ele gravou um disco aqui, com a comunidade Bethânia. Era algo muito simples, tanto ele quanto a comunidade. Ambos começavam, estavam nascendo e o CD era pra ajudar a comunidade. Eu lembro que tínhamos dois quartinhos aqui no estúdio. E o Léo dormiu junto com sua comunidade neles, ele ficou aqui enquanto o pessoal estava gravando. E me marcou muito aquele Padre Léo que eu conheci, como ele tinha um sentimento de amor que só hoje nós podemos entender! E durante a gravação, um dia, fomos almoçar em um restaurante e o Léo olhou pra mim e disse assim: “- Eraldo, você percebeu que eu sou o primeiro padre a gravar pela CODIMUC?”; (falou assim, como se fosse a maior vantagem do mundo!), eu já tinha gravado disco de outros padres, mas nenhum tinha sido lançado como CODIMUC. E hoje, quando eu peguei o CD pra olhar, eu vi que o logo da gravadora na época, simbolizava um CD espelhando as cores, que pra nós, quando fizemos a arte, era um arco-íris.

Então eu junto a minha conversão, junto a história da CODIMUC, junto a história da Canção Nova e junto o sinal de Deus. Hoje, Deus sinaliza a nós católicos que é preciso dar a vida. E que dar a vida as vezes é simplesmente sofrer. Todo mundo ficou feliz de ver o padre Léo falando, por um momento passou desapercebido o quanto que ele ainda estava sofrendo e que tamanho era a sua dor. A tal ponto, que poucos dias depois, nem um mês do Hosana Brasil, ele é levado ao céu.

Eu quero dizer a Deus hoje: muito obrigado! Obrigado pela vida do “Léo”, pelo sinal que me deu hoje, Senhor. Obrigado porque mostrando aquele arco-iris sobre a Canção Nova, o Senhor me deu a esperança de viver uma igreja una, santa e pecadora, debaixo do Seu céu. O Senhor sabe o quanto o Léo conversou e partilhou coisas comigo e o quanto eu pude conversar com ele. E peço que agora, junto com João Paulo II, com Maria Santíssima e com todos os anjos e santos, tudo o que ele sonhava e tinha dentro do coração, se transforme numa oração que ecoe por todo o céu e faça abalar a terra, porque anjos precisam vir sobre esta terra e mudar os nossos corações. E temos que juntar o pedido, principalmente os jovens, porque o Padre Léo falava muito pra vocês: percam este “raio” deste medo de encarar este mundo, de dizer que são católicos e que querem respeito pela maneira de vida que escolheram. Percam o medo olhando para um homem que vocês viram pulando e saltitando, mas que viram também morrer num leito de dor. Será que não vale a pena termos um pouco de dor na nossa vida, porque Deus sempre nos mostra o arco-iris, a esperança? Mas o que é dor para quem tem um arco-íris? Para quem tem esperança?

Eu agradeço a Deus por toda a história do Padre Léo, do meu amigo Léo, na história da CODIMUC, na história do ministério Anjos de Resgate, que ele sempre foi um cara que nos ajudou demais e de todos os artistas da CODIMUC, porque ele sempre abriu as portas para todos nós. E um dia ele me pediu: - Eraldo, grava o Paulo Cesar, eu preciso que você grave, que você o ajude. E nós gravamos sendo obedientes ao amor. E só Deus sabe a obra que nasce das sementes de amor.

No disco “Vida” a gente celebra a morte do amigo Padre Léo.

Celebramos aquilo tudo que você deixou em vida para nós: a sua história, mesmo dizendo que cantava mal, você foi a semente aqui na CODIMUC, da música católica de qualidade. Se hoje vivemos este slogan é porque você foi o padre a assumir que você era o primeiro padre a gravar pela CODIMUC. Obrigado pela sua coragem, pelo seu amor, pelas coisas que só podemos falar depois de muitos anos e as vezes, só depois que a pessoa se vai. Obrigado por tudo que fez por mim, pelos ministérios, pela comunidade Luz das Nações e por ter ajudado a gente na obra de restauração de toda igreja.

Em nome da CODIMUC, dos ministérios envolvidos conosco, digo: você é uma semente no céu de tudo aquilo que a gente guarda no coração, das dores que vivemos e das verdades que temos que silenciar, você as levou pro céu... Eu acredito que uma árvore de amor vai nascer na Terra, com frutos de perdão e reconciliação. Amém!

 

Eraldo Mattos
eraldo@codimuc.com.br
  
  
 

Ver outros artigos de Eraldo Mattos

Voltar para ARTIGOS

Listar TODOS os artigos em ordem alfabética

  
  
  Envie esta página para um ou mais amigos!
  
  
 
Voltar...
  
 
  
 Copyright © 2001 - 2011 por Portal da Música Católica. Todos os direitos reservados.