Loja CDCristão.COM
Home
Notícias
Releases/Biografias
Links
Blogs
Orkut
Twitter
Lançamentos
Catálogo
Em Estúdio
Loja Virtual
Ranking
Prêmios
Aniversariantes
Promoções
Newsletter
Agenda/Eventos
Programa Acorde
Cristoteca
Rádio Beatitudes
Clipes
Cifras
Partituras
MP3
Entrevistas
Salmo On-Line
Luiz Carv. Responde
Carta do Papa
Direitos Autorais
Lista de Discussão
Artigos - Músicos
Testemunhos
Artistas
Gravadoras
Rádios Católicas
Divulgação
Fale Conosco!
Pedido de Orações


O PAI DO BAIXO ELÉTRICO

CLARENCE LEO FENDER. Este novo instrumento foi e ainda é conhecido como FENDER BASS. Foi uma idéia de Leo oferecer aos músicos da época um instrumento preciso e leve, como as guitarras. Sua sonoridade mudou em definitivo a concepção de música em nosso mundo. (THE FENDER BOOK)

Depois de haver inventado, literalmente, a guitarra elétrica com corpo sólido em sua oficina de rádio em 1947, Clarence Leo Fender, com seu pequeno time de auxiliares, começou a conceber, na primeira metade de 1949, um instrumento entre a guitarra elétrica e o grande contrabaixo acústico, utilizado, desde então, por todos os músicos da época. Não somente Fender, como todos os demais baixistas da época, achavam o baixo acústico, além de grande e incômodo (em caso de transporte), deficiente em nível de expansão sonora (apesar de tentativa de amplificar seu sinal mediante a utilização de microfones e captadores "especiais", os resultados obtidos eram sofríveis...).

Leo, além de um profissional extremamente competente, estava sempre em contato com músicos na época, integrando-se, portanto, a suas necessidades, entre as quais, a construção de um instrumento que pudesse substituir o acústico, gerando ainda uma maior expansão sonora.

Leo Fender: - "O primeiro corpo sólido destinado a ser um instrumento musical foi construído em 1943. Nesta época, eu tinha a patente dos sistemas de captadores. Sendo assim, neste período, eu não estava particularmente interessado em sons musicais e sim em captadores!! A amplificação de qualquer sinal me fascinava!!.... O baixo fender foi o próximo passo da evolução após a guitarra elétrica. Foi uma idéia que se tornou uma obsessão..."

- ..."Nesta época, não existia cordas de contrabaixo ainda. Sendo assim, nos utilizamos de cordas específicas para o contrabaixo acústico. Tivemos que cortá-las e adaptá-las em nosso projeto. Revestimos as cordas em uma fina liga de aço permitindo assim que o sinal fosse magnetizado pelo imã do sistema de captadores que tínhamos inventado. Mais tarde, iniciamos a fabricação de cordas específicas para nosso novo instrumento..."

..." O principal objetivo de iniciarmos este projeto foi comodidade! - Queríamos um instrumento que o contrabaixista pudesse obter uma maior sonoridade, que fosse confortável de ser tocado e que coubesse no porta-malas de um carro!... Muitos amigos nossos diziam na época: "Leo está completamente louco... Ele nunca vai conseguir vender isto!!... Mas eu tinha uma visão... Estes músicos precisavam de um novo instrumento... E eu iria fazê-lo!!..."

..." O primeiro modelo foi construído no final dos anos 50. Muitos dos músicos quiseram experimentar o primeiro protótipo. Todos tocavam guitarra e não conseguiram entender como executar este estranho instrumento. Um fato curioso também era que os guitarristas, acostumados com a técnica de execução de seu instrumento, não tinham a mínima idéia de como criar "moldes rítmicos" no contrabaixo elétrico, uma vez que todos nunca "ouviram", com a devida atenção, as estruturas rítmicas criadas nas músicas executadas no período. Não se esqueçam: todos eram guitarristas. Muitos dos baixistas acústicos da época solenemente desprezaram o novo instrumento, alegando dificuldade de execução, bem como uma "sonoridade falsa" em comparação ao grande acústico.

As cordas eram afinadas de acordo com os moldes atuais, ou seja, E A D G.

Assim sendo, quando se iniciaram as primeiras incursões do novo instrumento dentro do cenário artístico mundial, ele se limitava simplesmente a repetir o que a guitarra tocava, somente uma oitava abaixo.

O grande trunfo deste novo instrumento era, além do tamanho e maior qualidade sonora resultante, o fato de ter um braço mais curto que o similar acústico, além de possuir trastes, o que facilitava sobremaneira a execução do mesmo. Foi desta forma que Leo Fender, em uma chuvosa tarde de dezembro de 1951, batizou seu novo invento: ... Sim, um instrumento que seja diferente do acústico... Que possua trastes para uma execução "precisa"... É isto mesmo: Um "Precision Bass..."

O resto é história...

 

Binno Finger (boyn@ieg.com.br)
Banda O Céu é Blues
- São Paulo-SP
  
  
 

Ver outros artigos de Binno Finger

Voltar para ARTIGOS

Listar TODOS os artigos em ordem alfabética

  
  
  Envie esta página para um ou mais amigos!
  
  
 
Voltar...
  
 
  
 Copyright © 2001 - 2011 por Portal da Música Católica. Todos os direitos reservados.