Loja CDCristão.COM
Home
Notícias
Releases/Biografias
Links
Blogs
Orkut
Twitter
Lançamentos
Catálogo
Em Estúdio
Loja Virtual
Ranking
Prêmios
Aniversariantes
Promoções
Newsletter
Agenda/Eventos
Programa Acorde
Cristoteca
Rádio Beatitudes
Clipes
Cifras
Partituras
MP3
Entrevistas
Salmo On-Line
Luiz Carv. Responde
Carta do Papa
Direitos Autorais
Lista de Discussão
Artigos - Músicos
Testemunhos
Artistas
Gravadoras
Rádios Católicas
Divulgação
Fale Conosco!
Pedido de Orações


Namorados têm seus pequenos gestos de afeto. Sutis e quase imperceptíveis a todos os outros mortais, estes gestos são declarações silenciosas de amor, perdão e cumplicidade. Aline, minha namorada, e eu, também temos os nossos.

Há algumas semanas nos desentendemos. Coisa muito corriqueira entre namorados. Um diz "A" e o outro "B", um está cansado e o outro preocupado, então nos aborrecemos e nos magoamos. Naquela noite, fui dormir muito triste pensando em quem estaria com a razão. Fiquei por alguns minutos, antes de pegar no sono, revendo mentalmente nossos diálogos. Acordei bastante chateado e com a certeza de que não importava muito quem estava certo. Eu iria passar o dia escrevendo alguns arranjos para o "Deus é Dez" e quase todo tempo ensaiando no estúdio. Quando nos veríamos? Meu coração estava tão apertado que, embora fosse sete e meia da manhã, resolvi fazer-lhe uma surpresa e mandei-lhe um telegrama muito simples, mas que dizendo tudo o que estava sentindo: "Me perdoe. Eu te amo! Um beijo, Guto". Mais tarde ela me encontrou no estúdio e não havia muito mais a ser dito. Nos olhamos, nos abraçamos e sabíamos que a paz e o amor estavam restaurados.

À noite, em minhas orações, veio à minha mente este pensamento: um telegrama para Deus. Muitas vezes, na pressa, não lembramos de expressar nosso amor, nosso pedido de perdão e nossa gratidão a quem nos ama infinitamente. Ele, que é nosso Principio e Fim, fonte de todo amor. Andei pela casa vazia sem acender as luzes. Todos dormiam. Lembrei-me do Cristo retirando-se no meio da noite para rezar. Meu coração estava apertado novamente. Então, pela janela da sala, olhando as estrelas, eu escrevi em meu coração uma silenciosa declaração de amor a Deus.

 

Augusto Cezar - DOM
tioguto@ig.com.br
Rio de Janeiro-RJ
  
  
 

Ver outros artigos de Augusto Cezar

Voltar para ARTIGOS

Listar TODOS os artigos em ordem alfabética

  
  
  Envie esta página para um ou mais amigos!
  
  
 
Voltar...
  
 
  
 Copyright © 2001 - 2011 por Portal da Música Católica. Todos os direitos reservados.