Loja CDCristão.COM
Home
Notícias
Releases/Biografias
Links
Blogs
Orkut
Twitter
Lançamentos
Catálogo
Em Estúdio
Loja Virtual
Ranking
Prêmios
Aniversariantes
Promoções
Newsletter
Agenda/Eventos
Programa Acorde
Cristoteca
Rádio Beatitudes
Clipes
Cifras
Partituras
MP3
Entrevistas
Salmo On-Line
Luiz Carv. Responde
Carta do Papa
Direitos Autorais
Lista de Discussão
Artigos - Músicos
Testemunhos
Artistas
Gravadoras
Rádios Católicas
Divulgação
Fale Conosco!
Pedido de Orações


Para Aline Rosa.

Entrei apressado no táxi, tentando desvencilhar-me o mais rápido possível do violão que carregava e de minhas muletas, dividindo minha atenção com o sinal que parecia querer abrir a qualquer momento e com os outros carros que teimavam desafiar a máxima de Newton de que "dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço". Quase sem forças, num suspiro, indiquei o destino ao motorista.

Estava muito quente e o Rio de Janeiro parecia ferver. Eu havia saído de uma aula que fui dar em Botafogo e, ao encostar-me no banco de trás do táxi, só consegui pensar em horários a cumprir, telefonemas para dar, problemas a resolver e contas a pagar. Fiquei pensando sobre alguns músicos que tenho ouvido e lamentei a falta de tempo para ouvir e estudar mais as suas gravações. Ah... Se eu tivesse mais tempo para estudar, se pudesse ter mais tranqüilidade para tocar, se não precisasse dar tantas aulas, nem correr tanto de um lado para o outro... Fui passando quase sem perceber da pressa ao cansaço e deste ao desânimo, quando o silêncio da viagem foi interrompido pelo motorista:

- É um violão isso daí? Disse o senhor, olhando-me pelo retrovisor.
- É sim...
- Eu nunca consegui aprender a tocar violão... Comprei um instrumento, tive aulas, mas nunca aprendi. Onde eu morava, no interior, nós nos reuníamos na praça e a turma ficava a noite toda tocando e eu sempre adorei o som do violão! É um instrumento companheiro que aproxima as pessoas, diverte...

Quantas vezes eu me peguei pensando em não ser músico. Pensando em ter outra profissão e lamentando as dificuldades naturais. Lembrei do tempo em que ainda não tocava e ía no escondimento ouvir os discos de meu pai, quando ouvi pela primeira vez as Variações Goldberg de Bach, Round Midnight de Thelonious Monk, os 12 estudos para violão do Villa Lobos e os discos de Elis Regina. Lembrei das dificuldades de convencer meus pais a me darem um violão, de quando ouvi de um professor que eu não tinha "ouvido musical" e que jamais seria músico, da luta para pagar as aulas particulares e comprar bons instrumentos, da dedicação que tive para completar a faculdade... Deus me deu um presente e quantas vezes não soube valorizar. Hoje eu toco no DOM, tivemos a graça de gravar um CD e ouvir das pessoas que somos instrumentos do Pai. Acho que todos nós de alguma maneira acabamos por não darmos valor aos tantos dons que Deus diariamente nos derrama. Pensamos muito no que não temos e relativisamos o que temos. Somos tão pouco agradecidos ao Pai por tantos talentos que julgamos nossos, mas que são, na verdade, graça Dele.

Obrigado, Senhor, por tudo! Obrigado pela vida, família, amigos, oportunidades, alegrias e tristezas também. Obrigado por tudo que tenho e pelo que me falta, ou que penso então me faltar. Pois em tudo vivo na Sua graça e misericórdia. Obrigado, Senhor!

 

Augusto Cezar - DOM
tioguto@ig.com.br
Rio de Janeiro-RJ
  
  
 

Ver outros artigos de Augusto Cezar

Voltar para ARTIGOS

Listar TODOS os artigos em ordem alfabética

  
  
  Envie esta página para um ou mais amigos!
  
  
 
Voltar...
  
 
  
 Copyright © 2001 - 2011 por Portal da Música Católica. Todos os direitos reservados.